10.8.11

Alviverde imponente

Goiânia, fevereiro de 1992.
Escola Giz de Cor.

Quando eu estava no pré - hoje conhecido como 1º ano - havia estudado com todos os meus colegas desde o maternal. Todos os pais menos a minha mãe que não ia nas festas da escola se conheciam, todos sabiam onde todos moravam, todos frequentavam as festas de aniversário alheias menos as minhas que faço aniversário em dezembro e éramos uma grande família feliz.

Até que entrou um menino novo na sala. Recordo-me até hoje do nome completo dele: Tulio Dias Maciel Sousa Maia. Tal e qual uma leoa defendendo a cria, eu não admitia que um corpo estranho quisesse se integrar à sala. Não sei porque cargas d'água, mas eu odiei o menino logo de cara. E passei a frequentar a sala da diretoria on a daily basis, porque me pegava de porrada com ele o tempo todo. Uma dama educada na Suíça, como podem ver.

Uma das poucas recordações que guardo de Tulio, é que em um dos recreios ele estava apostando corrida com os outros meninos e caiu de cara no chão, precisando ser levado para o hospital, onde levou vários e vários pontos no olho. Lembro-me de rir dele ensanguentado, e rir mais ainda quando voltou à escola alguns dias depois, com o olho arroxeado e costurado. Acho que fui eu quem pôs o pé para ele cair, mas não sei se essa lembrança é factual ou apenas algo que eu gostava de acreditar na época. Estudei com ele até a sétima série (as visitas à diretoria pararam antes disso), quando ele ainda ostentava uma cicatriz acima do olho esquerdo.

Outra coisa que me recordo é que Tulio era palmeirense. Eu não gostava muito de futebol na época, apesar de alguns anos depois ser colecionadora do álbum de figurinhas do campeonato brasileiro e saber discutir escalações, bem como frequentar jogos do Goiás F.C. no estádio, de camisa e gorrinho combinando. Mas o fato de Tulio ser palmeirense deixou escaras profundas em minh'alma, e eu tomei um ódio mortal pelo time que dividia a escala Pantone com meu coração alviverde.

Maceió, Setembro de 2007.


O Palmeiras tornou-se meu Flamengo. Eu sempre torcia contra, antipatizava com todo e qualquer palmeirense. Até que ia com a cara de um ou outro, mas continuava avessa ao time do meu arquinimigo do bê-a-bá. Mas me apaixonei justamente por um condenado pela maldição palestrina. E esse maldito me embuchou. E eu dei à luz um projeto de palmeirense.

Minha antipatia com o Palmeiras diminuiu, é claro. Ainda não torço de livre e espontânea vontade, mas já não torço mais contra em voz alta. Vindo de uma família multicultural futebolisticamente falando, Benjamin sofre influências flamenguistas, corinthianas, vascaínas, atleticogoianiensianas e até vilanovenses. Goianas não, porque desisti disso faz tempo. O pai sofre, compra um uniforme do Palmeiras para o menino no camelô. O avô vai lá e dá um uniforme do Corínthians (sei nem como escreve o nome desse time proibido nessa residência) oficial.

O pai vai lá e compra prato, squeeze, toalhinha e ganha uma ajuda duzamigo palmeirenses com um livrinho infantil muito do sem-vergonha. A bisa vem cá e dá um cofrinho do timão.

E eu? Eu permaneço neutra na disputa. Mas, tendo sido ameaçada de desquite, tudo o que posso fazer é arrumar a lancheira do menino de acordo com o padrão local:


E continuar torcendo contra em voz baixa. É a vingança de Tulio.

7 comentários:

Rô! - @robertarez 10 de agosto de 2011 01:28  

Huahuashuas... adorei o post, ri muito! Por aqui, o meu Benjamin (que ainda não nasceu) também sofre influências palestrinas do pai. Eu, meu irmão e meu pai influenciaremos o guri com o nosso sangue alvinegro praiano do Santos. Mas os padrinhos e uma grande parte da família estão do lado negro da força (flamengo paulista): 'curintias' (nem me esforço para escrever certo). Agora você me deixou pensando nos meus arqui-inimigos de infância e em seus respectivos times.

Anne 10 de agosto de 2011 11:37  

Ou seja, a única pessoa de bom senso por aí é a avó, tsc, tsc! Se precisar de ajuda alvinegra, eis-me aqui! ;)

ahsuahsuahs

Anderson Santos 10 de agosto de 2011 18:03  

huahuahua

Agora eu sei o porquê de tamanha raiva perante a camisa verde-limão do glorioso time do Palestra Itália...

Também ia escrever um post sobre essa "disputa clubística" - com um detalhe muito engraçado, com outra criança, referente ao amigo palmeirense pai do Benjamin. Ainda não deu tempo.

Érika Zemuner 10 de agosto de 2011 22:11  

O que mais me chamou atenção nesse post não foi nem a divergência futebolística e os caminhos que seu pobre filho tomou como torcedor (escolher entre Palmeiras e Corinthians, coitado do menino).

O principal pra mim foi: como você é má desde criança, Nanda! Hahaha! Rir do amiguinho fodido não é bonito! Ensine compaixão pro Ben, por favor...


E eu estive pensando. Sabe sobre o que eu gostaria de ler? Aborto. Um dia, no início do blog, você disse que não é contra e tinha uma opinião sobre isso. Queria saber qual é, o que mudou depois de você ter se tornado mãe (se é que mudou). Enfim, estude a possibilidade, é uma discussão interessante.

E eu continuo firme e forte lendo o blog. Posso não comentar com frequência, mas leio TUDO.

Nanda 12 de agosto de 2011 00:56  

, devo admirar a tenacidade desses palmeirenses. Mesmo com o time ruim pra danar, continuam querendo proliferar...

Anne, o avô e a bisa são alvinegros e são os que mais possuem meio$ para influenciar o menino. Acho que isso conta! Hahaha

Anderson, os descaminhos da memória, esses travessos! Hahaha. Mas a camisa verde-limão fere é meu senso estético, não minhas lembranças! Quero ver esse post, viu?

Érika Ele não tomou caminho nenhum. Só não é flamenguista, isso ele não é de jeito nenhum, e ainda tenta converter os flamenguistas da escola (porteiro e coordenadora pedagógica, haha). Mas má eu sempre fui, e nem sei se a maternidade amenizou esse traço torpe de personalidade, viu?
Quanto ao post sobre aborto, estamos preparando uma série de posts sobre isso lá no Mamíferas. Minha visão sobre isso continua exatamente a mesma, sou a favor do aborto. E contra a cesárea eletiva.
Também sou assídua nos seus blogs. Estou adorando o For Dummies ;)

Anderson Santos 27 de agosto de 2011 12:29  

Texto feito: http://migre.me/5zuUU

Jan Ribeiro 21 de setembro de 2011 00:33  

será o mesmo túlio? http://www.superligadetenis.com.br/index6.php?ver_tenista=551&PHPSESSID=ca1a33546c663aa4d6264c0bcdb35421