6.10.09

Papo de mãe

Começa assim:

- *sorriso* Que lindo! Quantos meses?
- Cinco e meio!
- Nossa, é gordinho né?
- É, é saudável. Tudo dentro da média.
- Mas ele ainda não senta? O meu com 3 meses já fazia a postura de lotus!
- É, ele ainda não senta, não. *sorriso*
- Gente, ele não tem nenhum dente? O meu com essa idade já mascava tabaco!
- É, ele não tem nenhum dente. *sorriso amarelo*
- Ele chorando assim, não chupa chupeta? O meu pegou chupeta numa facilidade!
- Eu não ofereço chupeta pra ele. Prefiro descobrir o que ele tem e resolver o problema. *careta tentando imitar um sorriso*
- Ah, por isso você leva ele pros lugares. O meu com 2 meses já ficava em casa com a babá pra eu ir na buatchy!
- A-hã...

Ou o oposto:

- *sorriso* Que lindo! Quantos meses?
- Cinco e meio!
- Nossa é gordinho, né? Esse aqui com essa idade era magrelo, não queria mais o mucilon, eu enfiava a mamadeira nele até tomar tudo...
- !!!!! É... o meu só mama no peito...
- Será que é por isso que ele é durinho? Esse aqui ainda nem senta direito, menino preguiçoso, molenga...
- Er... cada bebê se desenvolve de uma forma né?
- Que nada, esse aqui é um frouxo mesmo. Nem dente tem!
- Ah! Ele não tem dente também não! *sorriso esperançoso*
- Mas esse choro dele é de dente nascendo. Esse aqui tem preguiça até pra nascer o dente. Pelo menos assim não rasga a chupeta. Ele tem três!
- Hum... O meu não chupa chupeta...
- Deeeeus que me livre, esse aqui não queria chupeta e eu coloquei açúcar pra ele pegar. Assim eu posso deixar ele no berço sem precisar ficar com ele no braço o tempo todo... Agora é um amor só com a chupeta!
- A-hã...

Mães são atraídas por outras mães. Estando com seu rebento no colo, ou em casa, é sempre um pretexto para puxar conversa. Não sei se é um problema local, mas por aqui quase todas as mães que puxam papo comigo pensam que estão em uma competição de melhor ou pior bebê. É natural fazer comparações entre os rebentos, afinal desde que o mundo é mundo que os bebês são criados na base da amostragem. Sentam entre 6 e 8 meses, dentes aparecem até 1 ano, etc.

Existem listas, comunidades, fóruns, sites voltados para que as mães possam ter uma noção do desenvolvimento do filhote em comparação com outras mães. Participo de quase todos esses meios, e nunca presenciei diálogos parecidos com os que acontecem por aqui. É quase um reflexo fisiológico dizer que seu filho era assim e assado com tal idade, e eu me pego sempre fazendo isso, mas nunca para menosprezar ou exaltar as características de Benjamin. Porque convenhamos: bebês basicamente cagam, comem e dormem. Não tem muito segredo ou mérito nisso aí. Querer se afirmar sobre as evoluções psicomotoras do rebento é caso pra psiquiatria, hem.

E não é que essas conversas me irritem, como todas as outras coisas. É que elas me constrangem. Eu fico com pena do primeiro bebê que passará o resto da vida sendo cobrado para ser o melhor em tudo. E fico com mais pena ainda do segundo que é depreciado sem levar em consideração a sua pequenina presença. Eu não me sinto incomodada quando falam que Benjamin é atrasado ou mole ou sei lá o que, porque eu sei que ele não é. Não estou em uma corrida contra o tempo, e nem ele. Respeito e aproveito cada etapa cumprida, porque sei que amanhã olharei para aquele rapaz construindo algo com suas próprias mãos e lembrarei de como ele era descoordenado e sequer conseguia agarrar o bichinho à sua frente...

...aí vou aproveitar que ainda vou estar em plenas condições de parir e vou ter outro bebezinho descoordenado. Porque não sei mais viver minha vida sem ter que me dedicar inteiramente à alguém que só precisa de mim. Depois a Érika que diz que é egoísta por não querer ter filhos... Meu planejamento familiar? Ter dois filhos por década. E aí ter netos. Bjomechamaprarealidade.

8 comentários:

Anninha 7 de outubro de 2009 00:11  

Quando vc estiver grávida do terceiro vão te perguntar: a) se vc é coelho. b) se vc tem TV em casa. c) se vc é maluca.
As mães vão dizer: menina, como é que vc consegue? Eu com (insira 1 ou 2) não dou conta, imagine com esse tanto! E vão contar tudo o que elas acham que são "defeitos" dos pobrezinhos, rsrs. Ou então vão falar de todos os investimentos que fazem nos (poucos) filhos que têm consumido todo o dinheiro delas, e não sobra nadinha pra elas irem na buatchy.

Tem coragem de encarar?

hasuhaushahas

Soraya 7 de outubro de 2009 00:18  

Coitado MESMO dos bebes...
E beijonãomeliga pra essas mães ae viu...
ODEIO mãe que compara pra denegrir... acho sinceramente humilhação desnecessaria...
Outro dia estava eu lavando cabelo na casa de uma pessoa e escutando... Ih fulano que feio... ciclana não faz isso... ae o muleke birrou... e fulano que chato... ciclana não faz isso... ai fui ficando irritada... cheguei no locar e a pessoa falou NOssa ele num era assim... ae eu num aguentei e disse.. éé ficaar comparando assim com certeza só vai piorar... ele vai tomar raiva da ciclana e fazer pior ainda pra chamar atenção... olhos assustados pra mim (que nao tenho filhos nem nada né que palpiteira inconveniente) éé né num pode mesmo comparar... mE poupe
Beijosvcpodemeligar
=*

Luciana 7 de outubro de 2009 09:47  

Nanda, mas deixa eu te falar, minina. O meu bebê, com 6 meses já sentava sozinho, viu? Ah! Mas não tinha o menor interesse por comida... o seu tem, né? :-)

Compartilho totalmente sua indignacao por esse papo de minhoca que nao leva a nada...

Bom, minha sorte é que aqui na Australia nem olham pra gente... Ontem eu tava sentada na sala de espera do consultório e o Nicolas colocou sua cara na frente da senhora sentada ao nosso lado, sorrindo e fazendo gracinha pra ela, na maior alegria. A mulher simplesmente olhou pro lado oposto com a cara fechada, ignorando ele totalmente. E mesmo as que têm filho, não costumam dar muita trela tambem nao...

Anderson Santos 7 de outubro de 2009 15:10  

"Porque convenhamos: bebês basicamente cagam, comem e dormem. Não tem muito segredo ou mérito nisso aí." hehehehehehehehe

Realmente é um saco isso aí, as mães tratam os filhos como objeto.

Luna 7 de outubro de 2009 22:56  

hahahaha!!! Nanda, esses papos de mae sao assim mesmo!! Eu confesso que adoro puxar papo com as maes. Eh assunto que nao acaba mais! Outro dia, numa livraria, fiquei menos de 5 minutos conversando com um pai de um bb da idade da Beatriz. Foi tempo suficiente para saber que ele ainda nao andava, que mamava bastante e nao dormia a noite inteira. O cara ficou super feliz de saber que a Beatriz era igual! Afinal de contas, no mundo dos palpiteiros, bbs de 1 ano DEVEM dormir a noite inteira...

Luna 7 de outubro de 2009 22:56  

hahahaha!!! Nanda, esses papos de mae sao assim mesmo!! Eu confesso que adoro puxar papo com as maes. Eh assunto que nao acaba mais! Outro dia, numa livraria, fiquei menos de 5 minutos conversando com um pai de um bb da idade da Beatriz. Foi tempo suficiente para saber que ele ainda nao andava, que mamava bastante e nao dormia a noite inteira. O cara ficou super feliz de saber que a Beatriz era igual! Afinal de contas, no mundo dos palpiteiros, bbs de 1 ano DEVEM dormir a noite inteira...

Érika Zemuner 8 de outubro de 2009 02:07  

Pior de tudo é que isso continua eternamente! Quando são crianças, adolescentes e adultos. Mães são eternas adversárias no que diz respeito às qualidades de seus filhos.

Depois tem a criança que tira notas mais altas, que faz mais atividades extra-curriculares, que passa no curso mais difícil, na melhor faculdade, que conseguiu o melhor emprego...


Nossa, fui ciatada ali! Que chique!

Jo M. E. Guerra de Carvalho 18 de outubro de 2009 19:55  

eee, nanda...
OUtro dia eu fui num oftaumologista... Com a Ma. Juro que a sala de espera toda ficou na órbita da menina.. E eu meio sem graça. Com tanta atenção, ela começou a chorar. Ofereci o peito e lá veio: nossa!! ela ta chorando porque ta com cede! vou pegar uma aguinha pra ela... "não precisa, leite materno tem água". E outra pessoa: ela ta é com calor! E outro: eu acho que ela ta com sono. E mais outra pessoa: pois eu acho que é fome. humpf!
E, claro, vem as comparações... Eu não consigo mais ver alguém desmerecer seu bebê na minha frente e ficar quieta. Uma vez eu meio que perdi a paciência e soltei: ele existe. Já é muito!...
beeeeeijos!